Por mais linda que seja a estratégia, você deveria olhar os resultados, eventualmente.

Toques de um estadista (úteis aos publicitários)

Palavras do mais brilhante e controverso líder político e estrategista do Reino Unido, Sir Winston Churchill. Lembrei-me dele porque, nesse fim de semana, foram comemorados os 70 anos do fim da II Guerra Mundial.

As festividades pela derrota do nazismo e dos países do Eixo  –  Alemanha, Itália e Japão  –  ocorreram principalmente na Europa, EUA e Rússia. Foram tímidas no Brasil.

PChurchill_stratrimeiro-Ministro entre 1940 e 1945, Churchill era também oficial do exército, historiador e escritor.  Publicou a “História da Segunda Guerra Mundial”, em oito volumes. Ganhou o Prêmio Nobel de Literatura em 1953, por sua “maestria na descrição histórica e biográfica, assim como brilhante oratória em defesa dos valores humanos elevados.

Fui visitar o Winston Churchill Center e fiquei com a impressão de que vários dos seus aforismas e pensamentos, alguns formulados na primeira metade do século passado, valem para nós publicitários, ainda hoje.

A começar desse magnífico toque: “Por mais linda que seja a estratégia, você deveria olhar os resultados, eventualmente.”

De enfrentar obstáculos e vencer concorrentes, Churchill sabia muito, como estrategista que se provou excelente ao longo da história.reportdefends

Mas ele evoca também um fenômeno mais mundano, comum aos planos e briefs de comunicação, infelizmente: “Este relatório, por seu próprio comprimento, se defende do risco de ser lido.”

Senhor não só da perspicácia, como também do mais fino e contundente humor britânico.

Churchill-Learning-QuotesAliás, uma das citações dele me lembrou um criativo, amigo querido: “Estou sempre pronto para aprender, embora nem sempre goste de ser ensinado.”

A exortação seguinte é ainda mais pertinente   –  ou aderente, como diríamos no jargão atual  –  ao modus operandi dos publicitários.

Sabemos o quanto as agências exigem de trabalho extra, além do tempo regulamentar. Talento e inteligência não bastam, é preciso ralar. Consolemo-nos. Em tempos de guerra isso é feijão com arroz.

winston-churchill-quotes-19“O esforço continuado  –  não a força ou a inteligência  –  é a chave para destravar o nosso potencial.”

Churchill se referia ao denodo e à perseverança do esforço inglês ante o domínio alemão no continente europeu e o bombardeio de Londres.

Aliás, recomendo a leitura do artigo do Jânio de Freitas publicado hoje : “História de crimes e mentiras“. Ele conta que, durante a discussão sobre um tribunal para os crimes dos chefes nazistas, o Primeiro-Ministro usou de uma frase de extrema franqueza: “Passamos pelo risco de lá estarmos nós.”

Daí eu me lembro de quantas agências trabalharam e trabalham com contas do governo, qualquer governo, e me pergunto: é possível isso no Brasil sem haver compensação, seja pessoal ou partidária? Devem estar olhando o que acontece com a Borghierh Lowe no caso Lava Jato e repetindo a frase de Churchill: “Passamos pelo risco de lá estarmos nós.”

innovationPor fim, duas pérolas, sabidas por nós que cuidamos de marcas, marketing e propaganda:

“Devemos nos acautelar das inovações desnecessárias, especialmente quando guiadas pela lógica.”

“Atitude é uma coisa pequena que faz uma grande diferença.”

 


A quem se interessar, eis o endereço de um  banco de dados com fotos e fatos sobre a Segunda Guerra Mundial: World War II Database.

1 Comment

Comente

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Planejador de marca e comunicação. Fundador da agência NBS. Vice-Presidente do Grupo de Planejamento. Presidente do Conselho Diretor do Instituto Socioambiental. Fotógrafo amador, blogueiro e pescador idem. Saiba mais
  • Últimas do Instagram