Fotoclipe resume 22 anos do Instituto Socioambiental

Tive orgulho de mostrar este fotoclipe do ISA, no evento de pré-lançamento do curta-metragem “Onde foram as andorinhas“, sobre os efeitos perversos das mudanças climáticas no Parque Indígena do Xingu (veja o trailer ao final do artigo).

2016-08-02-PHOTO-00000068

Há mais de duas décadas o ISA defende uma perspectiva socioambiental para o Brasil. O fotoclipe acima resume nossa atuação nesse período e pede o suporte de pessoas como você, solidárias com os direitos das populações indígenas, ribeirinhas, extrativistas e quilombolas do nosso país.

Buscamos uma relação mais equilibrada entre a sociedade e a natureza, que valorize a nossa rica diversidade socioambiental, com ênfase nos direitos dos povos indígenas e comunidades tradicionais.

O ISA é um aliado histórico dessas populações e dos ambientes naturais em que elas vivem. Estão sob forte ameaça, em consequência da onda conservadora que sufoca o Congresso Nacional com o respaldo de uma parte expressiva da grande mídia.

Nesse contexto, torna-se essencial ampliar nossa influência sobre as políticas públicas  socioambientais. Defendemos o desenvolvimento do Brasil – mas não de qualquer jeito – dentro de uma perspectiva socioambiental comprometida com a sustentabilidade e o futuro das novas gerações.

Graças ao trabalho de dezenas de antropólogos, jornalistas, indigenistas, biólogos, geógrafos, sociólogos e pesquisadores de diversas áreas de estudo, o ISA pode ser considerado hoje a principal organização da sociedade civil (OSCIP) no campo indigenista e ambiental do Brasil.

andorinhas_milton

Milton Nascimento com Benki na comunidade Ashaninka no Rio Amônea, Alto Juruá, Acre, em viagem que resultou no CD Txai, em apoio à Aliança dos Povos da Floresta. O músico realizou concertos em São Paulo, Rio de Janeiro, Rio Branco e Nova York. © Beto Ricardo/ISA

Atuamos em 7 escritórios espalhados pelo País, temos projetos de campo no Xingu, no Rio Negro, em Roraima e no Vale do Ribeira, e presença forte em Brasília, onde nosso time de advogados trabalha para impedir o retrocesso na política e na legislação socioambientais. Em São Paulo, nossa base de monitoramento e informação sobre povos e terras indígenas, bem como sobre Unidades de Conservação no Brasil, é a mais completa do mundo. Saiba mais em nosso site.

Com o apoio financeiro de fundos de cooperação internacional, programas governamentais brasileiros, fundações e empresas privadas, o ISA coloca os índios no mapa e atua politicamente por um Brasil que faça da diversidade socioambiental o seu passaporte para o futuro.

Queremos fortalecer a atuação política do ISA em defesa do meio ambiente e da diversidade social, cultural e biológica do Brasil. Para isso precisamos ampliar nossa base de sustentação na sociedade. Precisamos de recursos para comunicar, inovar, produzir mais estudos cietíficos e informações qualificadas que nos permitam incidir de maneira cada vez mais firme e mais positiva na política socioambiental do Brasil.

Junte-se a nós. Filie-se ao ISA (clique aqui). 

Foto 20-08-16 08 57 28

Mônica Bergamo, Folha de São Paulo (20/08/2016)

Veja neste link mais fotos da cobertura do evento pela Folha de São Paulo.

FOTOCLIPE – FICHA TÉCNICA

Roteiro e Texto: Bruno Weis
Pesquisa de Imagens: Claudio Tavares
Edição: Fabio Nascimento
Trilha sonora: Marlui Miranda
Agradecimento: Beto Ricardo

Informações sobre as imagens:

  1. Foto 1: Eduardo Viveiros de Castro com os Araweté, Terra
    Indígena Araweté/Igarapé Ipixuna, Pará
    © Acervo ISA/1981
  2. Foto 2: Araweté, Terra Indígena Araweté/Igarapé Ipixuna, Pará
    © Eduardo Viveiros de Castro/1982
  3. Foto 3: Equipe de edição – Centro Ecumênico de Documentação e Informação (CEDI)
    © Acervo ISA/Anos 80
  4. Foto 4: Centro Ecumênico de Documentação e Informação (CEDI)
    © Acervo ISA/Anos 80
  5. Foto 5: Capas de diferentes edições do “Povos Indígenas no Brasil” (http://isa.to/2bIl4dW)
  6. Foto 6: Paulinho Paiakan encerra o encontro com a leitura da Declaração Indígena de Altamira, Encontro de Altamira
    © Murilo Santos/ISA/02/1989
  7. Foto 7: Deputado Vigildásio Senna, da Bahia, leva para a tribuna da Câmara mapa feito pelo CEDI, “Empresas de Mineração em Terras Indígenas”, durante encaminhamento de votação, Constituinte, Brasília.
    © André Dusek/Agil/1988
  8. Foto 8: Yanomami, imagem símbolo da campanha pelos direitos indígenas na Constituinte
    © Claudia Andujar
  9. Foto 9: Índios de várias etnias, tendo à frente, na bancada, da esq. para dir. Teseya Panará, Kanhõc Kayapó, Raoni Metuktire e Tutu Pombo Kayapó, ocupam auditório da liderança do PMDB, durante negociações do capítulo dos índios na Constituinte.
    © Beto Ricardo/ISA/Jun/1988
  10. Foto 10: Comemoração ao final da votação do capítulo dos índios na Constituinte
    © Beto Ricardo/ISA/1988
  11. Foto 11: Milton Nascimento com Benki na comunidade Ashaninka no Rio Amônea, Alto Juruá, Acre, em viagem que resultou no CD Txai, em apoio à Aliança dos Povos da Floresta. O músico realizou concertos em São Paulo, Rio de Janeiro, Rio Branco e Nova York.
    © Beto Ricardo/ISA
  12. Foto 12: Parte da equipe do ISA em São Gabriel da Cachoeira (AM)
    © Pedro Martinelli/ISA
  13. Foto 13: Waiãpi: Mariry, Amapá
    © Michel Pellanders/Hollandse Hoogte/1996
  14. Foto 14: Beto Ricardo com André Baniwa, demarcação da Terra Indígena Alto Rio Negro, no Alto Rio Içana, Amazonas.
    © Pedro Martinelli/ISA/1997
  15. Foto 15: Meninas pintando com guache a pintura corporal Kuarup, acompanhamento pedagógico, aldeia Tanguro do povo Kalapalo, Parque Indígena do Xingu, Mato Grosso.
    © Camila Gauditano/ISA/2002
  16. Foto 16: Encontro de Xamãs, maloca do Demini, Terra Indígena. Yanomami.
    © Beto Ricardo/ISA/2011
  17. Foto 17: abril 1997 – Marco de bronze para a demarcação física das Terras Indígenas do Rio Negro, maloca da Federação nas Organizações Indígenas do Rio Negro (Foirn), São Gabriel da Cachoeira, Amazonas. Trata-se do mais extenso e contínuo bloco de Terras Indígenas reconhecido oficialmente em faixa de fronteira na Amazônia brasileira.
    © Pedro Martinelli/ISA/1997
  18. Foto 18: Equipe do ISA no Riozinho do Anfrísio, Terra do Meio, Pará
    © Pedro Martinelli/ISA/2002
  19. Foto 19: Criança da comunidade quilombola de Ivaporunduva, em Eldorado/SP
    © Felipe Leal/ISA/2010
  20. Foto 20: TRF deu ganho de causa aos Panará em ação movida pelos advogados do ISA
    © Orlando Brito/2000
  21. Foto 21: Teseia Panará na porta do TRF em Brasília, no dia da decisão inédita que deu ganho de causa a uma ação indenizatória pelos danos pós-contato sofridos pelo seu povo, mais conhecido na década de 70 como Kranhakãrore, os “índios gigantes”
    © Orlando Brito/2000
  22. Foto 22: Gisele Bündchen na aldeia do povo Kisêdjê, usando cocar durante a gravação do comercial da sandália Ipanema Gisele Bündchen – data: 05/2006, Parque Indígena do Xingu (MT)
    © Lu Lacosta
  23. Foto 23: Lagoa da aldeia Aiha do povo Kalapalo, Parque Indígena do Xingu, Mato Grosso.
    © Beto Ricardo/ISA/2002
  24. Foto 24: Aldeia Demini, Terra Indígena Yanomami, Roraima
    © Leandro Lima/2011

Veja o trailer do premiado curta-metragem “Onde foram as andorinhas”:

2 Comments

  1. Mauro Marcelo Alves

    22/08/2016

    Parabéns pelo seu lindo trabalho, Jura. E que o exemplo do ISA frutifique ainda mais forte, antes que seja tarde demais. Forte abraço.

    Reply
    • Jurandir Craveiro

      22/08/2016

      Obrigadíssimo, querido Mauro. Saudade de você e Juju.

      Reply

Comente

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Planejador de marca e comunicação. Fundador da agência NBS. Vice-Presidente do Grupo de Planejamento. Presidente do Conselho Diretor do Instituto Socioambiental. Fotógrafo amador, blogueiro e pescador idem. Saiba mais
  • Últimas do Instagram