Dinamarqueses: diferentes, mas iguais

Um experimento mostra que, a despeito das aparências e origens variadas, os dinamarqueses são tão igualmente humanos e tão diversamente parecidos entre si, que isso se torna a própria cola que os une como povo.

A experiência filmada serviu de base para a campanha institucional da TV2 da Dinamarca: “All That We Share”  –  “tudo o que compartilhamos”.  Faz um feliz contraponto com a era Donald Trump que se inicia, já marcada pelo horror à diversidade, exaltação da xenofobia e distorção fascista do patriotismo nos EUA.

O diretor Asger Leth separou algumas dezenas de pessoas em grupos, em uma mesma sala, cada grupo representando um tipo de “tribo” com características etno-sócio-culturais próprias, diferentes dos outros. Submeteu-as a uma série de perguntas pessoais, em público. Reagrupou-as de acordo com suas respostas.

Filmou assim uma demonstração vívida da imensa diversidade e, simultaneamente, da poderosa comunhão de sentimentos, crenças, valores e atitudes, que une o povo dinamarquês. São aquilo que compartilham.

Na minha opinião, é uma maneira valorosa e invejável de estimular o orgulho nacional, sem preconceitos, sem populismos, sem xenofobia. Patriotismo isento de babaquices, democrático e filosófico.

Sem comentários

Comente

Planejador de marca e comunicação. Fundador da agência NBS e do Grupo de Planejamento de São Paulo. Ex- Presidente e atual consultor do Conselho Diretor do Instituto Socioambiental. Saiba mais
  • Boletim do Jura