Banksy denuncia a tragédia síria

Uma série de novos trabalhos grafitados em muros europeus mostra o inconformismo do misterioso artista com o tratamento reservado aos refugiados sírios.

Niguém sabe direito quem ele é. Sequer o nome dele é conhecido com certeza. Mas está sempre surpreendendo com a sua visão crítica.

No final de janeiro, Banksy reproduziu uma imagem famosa do filme e musical “Les Miserábles“, no qual a menina pobre, Cosette, aparece com lágrimas nos olhos.

banksy_jobsO grafite foi pintado no muro da Embaixada da França em Londres. A foto acima foi tirada por Christian Sinibaldi para o Guardian.

Denunciando o uso de gás lacrimogênio pela polícia no acampamento de refugiados em Calais, na França, Banksy pintou a menina em meio a um nuvem de gás que emana de uma bomba jogada aos seus pés.

Apesar da polícia de Calais negar o uso de gás lacrimogênio, um vídeo no YouTube prova exatamente o contrário: Calais Jungle police assaults (5th and 6th of January).

No final de dezembro, em um muro do acampamento de refugiados em Calais, Banksy fez um grafite do fundador da Apple, Steve Jobs, nascido nos Estados Unidos, mas filho de um imigrante sírio.

Na ocasião, em um breve comunicado à imprensa, afirmou que a Apple, “uma das mais lucrativas empresas do mundo, só existe porque as autoridades um dia deixaram entrar [nos Estados Unidos] um jovem fugido de Homs” [cidade na Síria].

Photo By Philippe Huguen

Photo By Philippe Huguen

O grafite durou pouco. Não se sabe quem mutilou o desenho, apagando a cabeça do Steve Jobs.

Ainda em Calais, Banksy pintou o grafite de uma menina com uma malinha, olhando na direção da Inglaterra através de uma luneta na qual um abutre está pousado.

Perto da agência de imigração na mesma cidade, pintou também uma versão moderna da “Balsa da Medusa”, um quadro do pintor francês Théodore Géricault, no século XIX, que mostra os sobreviventes de um naufrágio tentando desesperadamente chamar a atenção de um navio que passa ao longe.

Na versão de Banksy, é um iate moderno, ostensivo e a balsa está cheia de imigrantes à deriva. O artista deu nome ao grafite: “Não estamos todos no mesmo barco.”

Photo by Paul Townsend

Photo Montage by Paul Townsend


Post anterior sobre Banksy: “Agradecimento de Banksy a garoto inglês valeria R$ 80.000“.

Sem comentários

Comente

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*

Planejador de marca e comunicação. Fundador da agência NBS. Vice-Presidente do Grupo de Planejamento. Presidente do Conselho Diretor do Instituto Socioambiental. Fotógrafo amador, blogueiro e pescador idem. Saiba mais
  • Últimas do Instagram

    • Últimas do Twitter